Quinta-feira, 24.03.11

Não sei se todos conhecem a expressão, mas há quem diga que com o cair da folha e o rebentar da flor, é comum acontecer mais mortes. E o facto é que a semana começou assim:

* 1º- Artur Agostinho

* 2º - Elisabeth Taylor

* 3º - O governo

 

E quanto aos primeiros dois, não há nada a acrescentar até porque não afectam a vida dos portugueses. Lamento a perda de Artur Agostinho, pois apesar dos seus 90 anos, possuia uma cabeça magnifica, com uma juventude interior fantástica, de fazer inveja mesmo a muitos jovens de bilhete de identidade. Adoraria ter tido assim um avô ou que meus filhotes tivessem assim alguém.

A segunda, tinha uma beleza atroz. Um brilho no olhar que sugava o mundo. Era linda, muitissimo casada e lamentavelmente, não terminou na sua melhor forma e aparência, mas fica o que foi e o que fez.

 

Quanto à terceira "morte", aí sim tenho algumas coisitas a escrever. Há uns meses escrevi que com a reeleição do Cavaco, o governo iria cair e assim foi. Sócrates retirou-se e eu faria o mesmo (independentemente de como tivesse governado) já que não existiam condições p/governar um país quando se tem uma real oposição que não quer saber do país para nada, apenas pretende o poder. Acho piada ao contentamento das pessoas pelo afastamento de Sócrates!Acharão as mesmas que o pais ficará melhor com a liderança unanime de 1 só partido? Com um Coelho que rejeita o PEC só porque também quer liderar? È disto que o país precisa???
Aos que se alegram com esta situação:

* que paguem os 18milhoes€ que irão custar as eleições antecipadas e o aumento das taxas de juro que dispararam hoje;

* que se continuem a rir quando o país comecar a ser governado por uma só cor, contribuindo para mais "compadrio", "boys", "lobbys", etc;

* que sejam felizes com 1 presidente que em vez de apelar à estabilidade politica, esteve caladinho e deixou-se para a ultima...e nada fez;

* que não reclamem que não há benefícios para os trabalhadores a recibo-verde, porque com o chumbo do PEC IV, lá se foi o direito ao subsídio de desemprego.

 

Não tenho cor partidária, até porque acho que defender alguem só pela camisola que veste é irracional e estupido. Apenas gostava de ver um Portugal melhor e lamentavelmente, se ficarmos sob uma bandeira de laranja plena, iremos ainda sofrer bastante!

Porque é que aqueles que tanto criticam, não se levantam do sofá e agem? Inscrevam-se em partidos, mudem o país, e governem. Governar não é facil, e é por isso que muitos continuam no bem-bom do sofa...é reconfortantemente simples.
Não tenho cor partidária, mas também raramente refilo do governo! Que adianta um governo activo, quando a maior parte da população só quer é subsidios e altos ordenados sem danificar muito a cabeça e as costas?
Convém é que os portugueses acordem e se lembrem da luta que seus pais criaram para agora terem um futuro melhor e que eles agora não sabem dar aos seus proprios filhos!
Vá ajam...e não cuspam no prato que comem: é feio dizer mal em quem se votou. Há que ser responsável.


tags:

publicado por soprosdemar às 12:08 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 28.02.11

Os combustiveis voltaram a aumentar...yupi a sorte é que prefiro sempre os transportes publicos e as minhas pernas ao carro, mas indepedente disso pergunto: onde irá parar?Nos 150 dolares? Mais?

Se temos vivido até agora numa pseudo-crise, com estes aumentos constantes, iremos vivenciar rapidamente a real crise. P/quem não percebe: se os combustiveis aumentam, aumentam os bens alimentares (todos são transportados por bichos comedores de combustivel), o vestuario/calçado (pelo mesmo motivo) etc. Diminui o turismo interno e externo o que implica menos receitas para o país e blablabla.

Não há quem diga BASTA?!

 

E não digam que:

* a culpa é deste governo porque é de todos nós! Nós somos o governo e ele é o nosso reflexo, havendo sempre algumas excepções claro

* se estivesse outro partido a governar seria diferente, porque esse oàsis só duraria  alguns meses. Não há cor ou partido que faça milagres, porque todos têm a mesma origem -de luxo -e enquanto não colocarem alguém que saiba o que significa lutar para chegar longe, tudo será igual. O país precisa de ser governado por verdadeiros gestores (e não se entenda licenciados em gestão) com mão firme e sem medo de dizer NÂO e Não. Nisto Sócrates até começou bem, negando privilegios a classes já priveligiadas como a dos professores mas ultimamente tem vindo a demonstrar algumas "aberturas",

* precisamos de ajudas, de subsidios, porque aqui é que me salta a tampa!Que subsidios??? Foi à custa destas "borlas", que muitos portugueses tornaram-se preguiçosos e sem objectivos: é sempre mais facil estar no sofá e receber dinheiro, do que receber dinheiro a mudar o sofa de sitio. Há familias que têm casas do estado, subsidios de desemprego, RSI, abonos sem penalizações, livros e transportes de graça para filhos, infantarios do estado,mercearia mensal gratuita e...um Mercedes à porta. Há quem trabalhe e receba por exemplo 500€ ou 600€, milhares ainda a recibo verde, e tenha de pagar tudo sem uma pequena ajuda. Já não me interessa saber se é correcto ou não mas sim se é digno. Porque quem trabalha tem de suportar tudo, independemente dos seus ordenados e quem ganha um subsidio fica logo com acesso quase garantido a mais? Porquê? Porque é facil obté-los e porque somos um país de fado: todos sabem lamuriar-se e uns melhor que outros, claro está. Os únicos subsidios a existir, a meu ver, deveriam ser o de doença, maternidade, desemprego (com muita fiscalização) e um outro chamado SALARIO, de igual direito de acesso a todos, independente da idade, sexo, raça e volume adipocito. Não, não me esqueci do de NaTal nem de Férias. Simplesmente não sou a favor: quem quer dinheiro para férias e prendas, poupe. Era bem melhor receber pelas horas extraordinarias que se fazem do que receber tal, até porque no fim levariamos mais para casa e ainda se estimulava o empregado e isso faria, simplesmente, este país andar...estranho não, como medidas tão simples poderiam fazer a diferença? Mas é verdade, há uns anitos atras, as empresas ofereciam premios de produtividade, de presença e ainda pagavam horas extra e não se assistia a este clima.

 

Atiro o chapeu bem alto aos paises africanos que agora lutam por melhores condições e espero que não terminem tão cedo e que esta epidemia chegue cá...óptimo filtro que seria.



publicado por soprosdemar às 22:40 | link do post | comentar | favorito

Domingo, 23.01.11

E pronto, já sabemos quem venceu as eleições presidenciais se bem que não era segredo nenhum. Não gostei nem desgostei apenas porque já esperava este resultado... é indiferente. Logo posso dormir descansada porque sei que não contribui para esta vitória logo não serei uma das culpadas pelo aumento da instabilidade que irá ocorrer brevemente, quando este cavaquinho terminar com o governo actual e o país vestir completamente laranja.

Apenas fico triste pelos portugueses continuarem acomodados. Onde andam os que lutaram por melhores dias, direitos, profissões, RESPEITO, MUDANÇA? È que mudar é sempre bom e se há uns anos eu ouvia "a pocilga é sempre a mesma os porcos é que vão mudando" agora reescreve-se: a pocilga é sempre a mesma e os porcos também". Pergunto: como melhorar se mantemos um presidente que aquando as suas anteriores governações, espalhou a pólvora para que rebentasse anos mais tarde?

E tal como afirmou no seu longo e chato discurso, ele não "ilude os portugueses" e isso é a mais pura verdade. Nós, (e retiro-me desta lista porque nunca ajudei à sua eleição) que vivemos em plena crise económica, ouvimos sempre um presidente que apela à moderação (nossa, claro), divulga  cortes salariais"obrigatórios", reduções na sáude e educação (as àreas que, juntamente com a construção, fazem com que um país pare ou evolua) entre outros mais apelos e mesmo ao descobrirmos que este cavaquinho é um TRI - pensionista o que fazemos? Mandamos o sinal: "sim, apertaremos o cinto para que o mesmo continue a auferir 9356€ mensais" divididos por:

- € 4.152,00 - Banco de Portugal.
- € 2.328,00 - Universidade Nova de Lisboa.
- € 2.876,00 - Por ter sido primeiro-ministro.

 

Não sei se entendem: ele recebe o equivalente a 19 salários minimos nacionais (475€SMN). Portanto ele não ilude ninguém, os portugueses que vivem sempre a reclamar disto e daquilo CONTINUAM A ILUDIR-SE COM FALSAS E OCAS PROMESSAS. E por favor, isto não é um desabafo de quem não viu a sua cor partidária vitoriosa, porque normalmente apenas simpatizo com este ou aquele candidato independentemente da sua cor. Eu não tenho cor e quando tiver será a do meu próprio partido. Até porque acredito na politica e quem não acredita ou respeita, está resignado. Quer se goste ou não, é a politica que tem o poder de mudar o mundo portanto "fechar os ouvidos" ou não votar, é contribuir para a estagnação deste planeta.

 E com isto apenas digo, que venha uma Revolução: as guerras podem destruir mas também filtram e deixam cá os resistentes e lutadores que tanto o país precisa. E da destruição nasce sempre uma fénix: talvez um novo Portugal não tão adormecido mas sim conquistador, agora não de terras mas de pessoas com força, inteligência e valores. Mas para isto há que acordar e relembrar de que o caminho para sair de qualquer dificuldade não é continuar a andar pelo mesmo caminho. 

 

Tenho dito!

A voz da nova revolução :)


tags:

publicado por soprosdemar às 23:00 | link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Sábado, 06.11.10

Foram tomadas medidas draconianas esta semana em Portugal, pelo Governo "socialista" de José Sócrates. Mais um caso de um outro governo de centro-direita pedindo ao povo Português a fazer sacrifícios, um apelo repetido vezes sem fim a esta nação trabalhadora, sofredora,historicamente deslizando cada vez mais no atoleiro da miséria. E não é porque eles serem portugueses. Vá o leitor ao Luxemburgo, que lidera todos os indicadores socioeconómicos, e vai descobrir que doze por cento da população é portuguesa, oriunda de um povo que construiu um império que se estendia por quatro continentes e que controlava o litoral desde Ceuta, na costa atlântica, tornando a costa africana até ao Cabo da Boa Esperança, a costa oriental da África, no Oceano Índico, o Mar Arábico, o Golfo da Pérsia, a costa ocidental da Índia e Sri Lanka. E foi o primeiro povo europeu a chegar ao Japão….e à Austrália.
Esta semana, o Primeiro Ministro José Sócrates lançou uma nova onda dos seus pacotes de austeridade, corte de salários e aumento do IVA, mais medidas cosméticas tomadas num clima de política de laboratório por académicos arrogantes e altivos desprovidos de qualquer contacto com o mundo real, um esteio na classe política elitista Português no Partido Social Democrata (PSD) e Partido Socialista (PS), gangorras de
má  gestão política que têm assolado o país desde os anos 80. O objectivo? Reduzir o défice. Porquê? Porque a União Europeia assim o diz. Mas é só a UE? Não, não é. O maravilhoso sistema em que a União Europeia se deixou sugar, é aquele em que as agências de Ratings, Fitch, Moody's e Standard and  Poor's, baseadas nos Estados Unidos da América  (onde havia de ser?) virtual e fisicamente,  controlam as políticas fiscais,
económicas e sociais dos Estados-Membros da  União Europeia através da atribuição das notações de crédito.
Com amigos como estes organismos e ainda Bruxelas, quem precisa de inimigos?
Sejamos honestos. A União Europeia é o resultado de um pacto forjado por uma França tremente e com medo, apavorada com a Alemanha depois das suas tropas invadiram o seu território três vezes em setenta anos, tomando Paris com facilidade, não só uma vez mas duas vezes, e por uma astuta Alemanha ansiosa para se reinventar após os anos de pesadelo de Hitler. A França tem a agricultura, a Alemanha ficou com os mercados para a sua indústria.

E Portugal? Olhem para as marcas de automóveis novos conduzidos pelos motoristas particulares para transportar exércitos de "assessores" (estes parecem ser imunes a cortes de gastos) e adivinhem de que país eles vêm? Não, eles não são Peugeot e Citroen ou Renault. Eles são os Mercedes e BMWs.  Topo de gama, é claro.
Os sucessivos governos formados pelos dois principais partidos, PSD (Partido Social Democrata da direita) e PS (Socialista, do centro), têm sistematicamente jogado os interesses de Portugal e dos portugueses pelo esgoto abaixo, destruindo a sua agricultura (agricultores portugueses são pagos para não produzir!!) e a sua indústria (desapareceu!!) e sua pesca (arrastões espanhóis em águas lusas!!), a troco de quê? O quê é que as contra-partidas renderam, a não ser a aniquilação total de qualquer possibilidade de criar emprego e riqueza numa base
sustentável?

Aníbal Cavaco Silva, agora Presidente, mas primeiro-ministro durante uma década, entre 1985 e 1995, anos em que despejaram bilhões de euros através das suas mãos a partir dos fundos estruturais e do desenvolvimento da UE, é um excelente exemplo de um dos melhores políticos de Portugal. Eleito fundamentalmente porque ele é considerado "sério" e "honesto" (em terra de cegos, quem vê é rei), como se isso fosse um motivo para eleger um líder (que só em Portugal, é!!) e como se a maioria dos restantes políticos (PSD/PS) fossem um bando de sanguessugas e parasitas inúteis (que são), ele é o pai  do défice público em Portugal e o campeão de gastos públicos. A sua “política de betão” foi bem concebida, mas como sempre, mal planeada, o resultado de uma inapta, descoordenada e, às vezes inexistente localização no modelo governativo do departamento do Ordenamento do Território, vergado, como habitualmente, a interesses investidos que sugam o país e seu povo. Uma grande parte dos fundos da UE foram canalizadas para a construção de pontes e auto-estradas para abrir o país a Lisboa, facilitando o transporte interno e fomentando a construção de parques industriais nas cidades do interior para atrair a grande parte da população que assentava no litoral. O resultado concreto, foi que as pessoas agora tinham os meios para fugirem do interior e chegar ao litoral ainda mais rápido. Os parques industriais nunca ficaram repletos e as indústrias que foram criadas, em muitos casos já fecharam.
Uma grande percentagem do dinheiro dos contribuintes da UE vaporizou-se em empresas e esquemas fantasmas. Foram comprados Ferraris. Foram encomendados Lamborghini,  Maserati. Foram organizadas caçadas de javali em Espanha. Foram remodeladas casas particulares. O Governo e Aníbal Silva ficaram a observar, no seu primeiro mandato, enquanto o dinheiro foi desperdiçado. No seu segundo mandato, Aníbal
Silva ficou a observar os membros do seu governo a perderem o controle e a participarem. Então, ele tentou desesperadamente distanciar-se do seu próprio partido político. E ele é um dos melhores?

Depois de Aníbal Silva veio o bem-intencionado e humanitário, António Guterres (PS), um excelente Alto Comissário para os Refugiados e um candidato perfeito para Secretário-Geral da ONU, mas um buraco negro em termos de (má) gestão financeira. Ele foi seguido pelo excelente diplomata, mas abominável primeiro-ministro José Barroso (PSD) (agora Presidente da Comissão da EU, “Eu vou ser primeiro-ministro, só que não sei quando”) que criou mais problemas com o seu discurso do que com os que resolveu, passou a batata quente para Pedro Lopes (PSD), que não tinha qualquer hipótese ou capacidade para governar e não viu a armadilha. Resultando em dois mandatos de José Sócrates; um Ministro do Ambiente competente, que até formou um bom governo de maioria e tentou corajosamente corrigir erros anteriores. Mas foi rapidamente asfixiado pelos interesses instalados. Agora, as medidas de austeridade apresentadas por este primeiro-ministro, são o resultado da sua própria inépcia para enfrentar esses interesses, no período que antecedeu a última crise mundial do capitalismo (aquela em que os líderes financeiros do mundo foram buscar três triliões de dólares (???) de um dia para o outro para salvar uma mão cheia de banqueiros irresponsáveis, enquanto nada foi produzido para pagar pensões dignas, programas de saúde ou projectos de educação). E, assim como seus antecessores, José Sócrates, agora com minoria, demonstra falta de inteligência emocional, permitindo que os seus ministros pratiquem e implementem políticas de laboratório, que obviamente serão contra-producentes.
 
O Pravda.Ru entrevistou 100 funcionários, cujos salários vão ser reduzidos. Aqui estão os resultados:
Eles vão cortar o meu salário em 5%, por isso vou trabalhar menos (94%).
Eles vão cortar o meu salário em 5%, por isso vou fazer o meu melhor
para me aposentar cedo, mudar de emprego ou abandonar o país (5%)
Concordo com o sacrifício (1%)
 
Um por cento. Quanto ao aumento dos impostos, a reacção imediata será que a economia encolhe ainda mais enquanto as pessoas começam a fazer reduções simbólicas, que multiplicado pela população de Portugal, 10 milhões, afectará a criação de postos de trabalho, implicando a obrigatoriedade do Estado a intervir e evidentemente enviará a economia para uma segunda (e no caso de Portugal, contínua) recessão. Não é preciso ser cientista de física quântica para perceber isso. O idiota e avançado mental que sonhou com esses esquemas, tem os resultados num pedaço de papel, onde eles vão ficar!! É verdade, as medidas são um sinal claro para as agências de rating, que o  Governo  de Portugal está disposto a tomar medidas fortes, mas à custa, como sempre, do povo português.

Quanto ao futuro, as pesquisas de opinião providenciam uma previsão de um retorno do Governo de Portugal para o PSD, enquanto os partidos de esquerda (Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português) não conseguem convencer o eleitorado com as suas ideias e propostas. Só em Portugal, a classe elitista dos políticos PSD/PS seria capaz de punir o povo por se atrever a ser independente. Essa classe, enviou os interesses de Portugal para o ralo, pediu sacrifícios ao longo de décadas, não produziu nada e continuou a massacrar o povo com mais castigos. Esses traidores estão a levar cada vez mais portugueses a questionarem se não deveriam ter sido assimilados há séculos pela Espanha. Que convidativo, o ditado português “Quem não está bem, que se mude”. Certos, bem longe de Portugal, como todos os que podem estão a fazer. Bons estudantes a jorrarem pelas fronteiras fora. Que comentário lamentável para um país maravilhoso, um povo fantástico e uma classe política abominável.

 

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

http://port.pravda.ru/mundo/30541-0



publicado por soprosdemar às 11:15 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 13.10.09

No passado Domingo, encerraram as últimas eleições deste ano o que me leva a questionar: e agora, já podemos respirar ou ainda continuamos em asfixia política???

Estas simples palavras são a moda deste ano, nem me recordo quem as vociferou e não sei qual o propósito de tal mas é uma conjugação interessante.

Analisemos:

  • a asfixia é a ausência prolongada de oxigénio por inumeros motivos. Bem, eu tenho andado fora de casa, diariamente, e se ainda não morri é porque o buraco de ozono ainda não atingiu proporções tais que fizesse desaparecer o O2 .
  • democracia... será que alguém acredita que vivemos numa verdadeira democracia? Pelo amor à santa!!! DEsde quando?? Não precisamos de ter medo em libertar o que invade a alma, cabeça e coração (se bem que às vezes a PIDE deveria voltar só para prender alguns pensamentos e ideias); não há hora de recolha obrigatória, podemos desrespeitar quem quiseremos e partir o que nos apetecer, é certo. Nas democracias têm de existir regras, leis que quando não respeitadas deverão levar a sanções. E desde quando há democracia nisso? Paga quem é pobre ou não tem conhecimentos, os restantes esperam em liberdade envoltos em luxo e ainda se recandidatam.

O problema disto tudo, como digo aos alunos, é a existência de tanta ileteracia. Há quem não saiba interpretar bem o que lê e/ou ouve e depois termine com a asfixia politica matando familiares de politicos em dia de eleições.

Não acredito na existência da tal asfixia, penso apenas que este é um problema da região autónoma da MAdeira: além de viverem numa ilha, há anos que respiram um ar demasiado  aJARDInado. Pobres coitados! Resta-lhes talvez a esperança de que caia um novo asteróide e extinga este dinossauro mas vou avisando: vaso ruim não quebra lol! 

 

da net


sinto-me xeia de ar
música amar es combatir - MANA

publicado por soprosdemar às 07:40 | link do post | comentar | favorito

Escuto
EU
Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Novos trapos

Primaveras e partidas

Por uma vida melhor, há q...

Presidenciais

O que dizem os russos da ...

Já se pode respirar???

Cesto roupa suja

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

todas as tags

Outros estendais
Escuto
Visitas
blogs SAPO
subscrever feeds